Notícias

4 Novembro 2019

1º De Agosto escorrega e cai no clássico dos clássicos

Uma "bomba" de Dany e um "frango" de Tony Cabaça ditaram a derrota do 1º de Agosto no clássico de ontem diante do arqui-rival, Petro de Luanda, num desafio onde foi determinante a eficácia dos petrolíferos, contrastando com a falta de pontaria dos militares, que ainda assim, permanecem na liderança do campeonato com mais um ponto. 
Os agostinos entraram com a forte disposição de marcarem cedo, pois controlaram as acções do desafio, e pressionaram o último reduto dos tricolores, que saíam bem na resposta. Os remates de Mabululu e Ary Papel, competiram com o de Diógenes, onde os guarda-redes tiveram intervenções seguras.
Sem Nelson da Luz, ficou de fora na véspera do clássico por lesão, o técnico Dragan Jovic apostou em Mongo e Buá nas alas, onde no ataque o número 30, descaía para a esquerda, dando fortes dores de cabeça aos defesas contrário.
Do lado oposto, Dany, Job e Tony eram os principais motores da formação orientada por António Cossano, no primeiro tempo, com algumas intervenções de Yano, que jogou o seu primeiro clássico.
Apesar do maior poderio ofensivo do 1º de Agosto, coube ao guarda-redes Élber negar os golos que os avançados militares tentaram em várias ocasiões, mas esbarravam nos reflexos do keeper.
Contrariamente ao previsto, foram os visitantes que adiantaram-se no marcador aos 44´, através de uma \"bomba\" de Dani, que à entrada da área não deu tempo ao capitão Dany Massunguna e rematou sem dar hipóteses de visão a Tony Cabaça, nem esboçou nenhuma defesa.
Antes do intervalo, os pupilos de Dragan Jovic correram atrás do prejuízo e podiam ter chegado a igualdade, mas Ary Papel e Mabululu foram incapazes para bater, quem esteve em \"dia sim\".
No reatamento os militares voltaram a entrar melhor no jogo, criaram oportunidades para marcar, mas os atacantes teimavam em errar o alvo, ora por culpa de Élber ou mesmo por falhanços. Descontente Dragan Jovic, operou duas substituições colocando em campo Leonel Yombi, para ver se resolvia as coisas, além de Kila.
Tony Cossano respondeu com a entrada de Herenilson para serenar as acções ofensivas dos agostinos, que controlavam o desafio e várias vezes estiveram perto de marcar. A medida que o tempo passava as emoções nas bancadas quase cheias do estádio 11 de Novembro, entravam em erupção, com os adeptos tricolores a rezarem para o apito final de Hélder Martins, enquanto os aficionados militares roíam as unhas a pedir aos deuses para ajudar a empatar o desafio.
Mas foi o Petro de Luanda que teve a palavra final ao ampliar fechar marcador, aos 81´, por Isaac, numa jogada de desentendimento da defesa do 1º de Agosto, onde Bobó e Tony Cabaça ficaram muito mal na fotografia, ao oferecer o golo ao avançado ganense, acabado de entrar no jogo.
Isso facilitou a tarefa dos visitantes que seguraram a bola, escondeu-a do adversário, dando poucas oportunidades aos tetra-campeões de voltarem a criar perigo, consumando a primeira vitória de António Cossano no clássico dos clássicos.


Arbitragem
Trabalho sem influência


O árbitro Hélder Martins realizou um trabalho regular, sem ter influência no resultado final do jogo. O juiz que leva às insígnias da FIFA ao peito não esteve envolvido em jogadas polémicas. Acompanhou de perto os lances e acertou em grande parte das decisões que tomou. Os auxiliares Jerson Emiliano e Evanildo Lopes souberam interpretar bem as situações de fora de jogo, sem causar dissabores a qualquer uma das formações.


Melhor em campo
A mestria de Dani

O médio do Petro de Luanda destacou-se no clássico pelo grande golo marcado aos 42´, uma autêntica "bomba" do meio da rua que deixou sem hipóteses de defesa ao guarda-redes Tony Cabaça. Além disso, comandou o meio-campo petrolífero, cadenciando o jogo ladeado por Job, onde mostrou as suas credenciais em campo, num jogo onde normalmente os grandes jogadores devem aparecer e Dany cumpriu com o papel que lhe foi entregue por António Cossano.

Ópinião dos Técnicos
1º de Agosto  (Ivo Traça)

"Não conseguimos marcar""Gostaria de aproveitar para felicitar o público que compareceu hoje (ontem) ao estádio para apoiar as duas equipas. Dizer que foi uma grande partida de futebol, o Petro foi feliz, conseguiu marcar no final do primeiro tempo o golo inaugural. Não baixamos a cabeça, fomos atrás do resultado, mas não conseguimos marcar. Agora vamos pensar já no próximo jogo que temos pela frente, que será contra o Recreativo do Libolo".

Petro de Luanda  (António Cossano  )
"Temos uma grande equipa"


"Sabíamos que tínhamos pela frente um grande adversário. Ganhou os últimos quatro campeonatos, mas nós também temos uma grande equipa. Eles entraram melhor que nós no jogo, mas depois equilibramos e marcamos o primeiro golo antes do intervalo. No segundo tempo tivemos mais posse de bola e continuamos a fazer o nosso jogo. Numa pressão do nosso ataque chegamos ao segundo golo que ditou o resultado final".

 

Classificação

Pos Clube Pts
1 1º de Agosto 1º de Agosto 27
2 Petro de Luanda Petro de Luanda 26
3 Académica do Lobito Académica do Lobito 24
4 Recreativo do Libolo Recreativo do Libolo 24
5 Desportivo da Huíla Desportivo da Huíla 19
6 Interclube de Luanda Interclube de Luanda 15
7 Sporting de Cabinda Sporting de Cabinda 14
8 FC Bravos do Maquis FC Bravos do Maquis 14
9 Kuando Kubango FC Kuando Kubango FC 13
10 Williet S.C Williet S.C 13
11 Recreativo da Caála Recreativo da Caála 11
12 Sagrada Esperança Sagrada Esperança 10
13 Ferrovia do Huambo Ferrovia do Huambo 9
14 Progresso de Sambizanga Progresso de Sambizanga 9
15 1º de Maio de Benguela 1º de Maio de Benguela 6
16 Santa Rita de Cássia FC Santa Rita de Cássia FC 6
Patrocinador Oficial ZAP
© 2019 Girabola ZAP. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por

Bitmaker Software